Você está aqui
Home > Cultura > SOBRE PESSOAS COMUNS

SOBRE PESSOAS COMUNS

Um bem cultural que levamos para sempre.

 

Durante toda a minha vida, ou escrevendo cada página da minha história, cruzei com muita gente, vivi muitas situações. Nunca tive a ideia, pelo menos até a própria vida me forçar a ver estas coisas, da dimensão e da importância da história de cada uma destas pessoas e das consequências do que vivi e sobretudo, onde isto interferia na minha trajetória. Foi em um momento muito específico da minha vida que, sem outra alternativa, me deixei arrebatar por uma construtiva vontade de resgatar algumas destas páginas escritas por mim e principalmente rever os momentos em que a história de algumas pessoas e as conseqüências de algumas ações e situações, que julguei fundamentais, interferiu diretamente no que sou hoje.

mãos

Revisitando o passado, me perguntei o que, na minha vida, poderia justificar um mergulho cultural desta magnitude dentro de mim mesmo. Nunca imaginei, depois de conviver um pouco comigo mesmo, poder encontrar a cada passo, uma história tão rica e uma cultura tão latente, deixada por estas pessoas que, de uma forma ou de outra, tive a oportunidade de cruzar.

Passei a procurar em cada um destes personagens, as suas próprias histórias, as suas rotinas, as suas ideologias, suas devoções. Hoje não sei se estas pessoas tinham um Deus, se eu mesmo tinha um Deus, não sei se era o mesmo Deus, se o deles queria a mesma coisa que o meu, cada um seguiu o seu caminho.

bonecos

Cheguei a uma certa idade, a uma certa carga de experiência em relacionamentos e concluí que todas as pessoas que encontrei tem uma ligação lógica com outras pessoas que conheço – o amigo do amigo do amigo… – e estes com estas pessoas que escreveram as suas histórias e que em algum momento cruzaram a minha vida. Pois bem, vidas se cruzaram, histórias se fundiram e um roteiro de convivências e aprendizados foi escrito.

Não importa os nossos vizinhos, amigos, colegas, conhecidos, não importa o tamanho da cidade, a história é viva e a cultura se materializa em ações.

Percebi que quando via alguém na rua, via apenas a sua sombra pública, o restante, a parte importante, estava sob várias camadas longe da minha visão e muitas vezes da minha compreensão. Não imaginava as maravilhas ocultas nas pessoas a minha volta, não tinha a idéia da dimensão de suas histórias e que ligação cada uma delas tinha com outras pessoas, desconhecidas, que na simplicidade cotidiana dos seus feitos, em nome de algum ideal, crença ou ainda interesse também, estavam escrevendo as suas histórias.

idosos

É impossível não pensar na minha vida, sem pensar nestas pessoas, sem pensar nas situações que vivi, sem pensar no que sou hoje. Hoje admiro aquelas pessoas pelo que eram, pela crença que tinham e também pelo modo como viviam, mesmo que alguns já tenham mudado ou nem estejam mais aqui. Pessoas que caminhavam a passos largos e decididos, esperando, indiretamente e muitas vezes sem nem mesmo se darem conta, umas pelas outras, com as mesmas determinações, dando umas as outras, confiança e algum sentido. Pessoas, que eram umas para as outras, líderes, pais, amigos, desconhecidos, irmãos, família e que movidos, por sabe lá DEUS o que, trilhavam as suas conquistas e defendiam seus ideais. Não esquecerei jamais o que vivi e estas pessoas, e a simples e corajosa vida que levaram.

Não importa o que estas pessoas deixaram de fazer, o que importa é que eles foram e ainda são muitas coisas para muita gente.

Mantive por muito tempo, a história destas pessoas do lado de fora da minha, mas hoje, olhando para trás consegui trazer um pouco disto para mim mesmo. Quero fazer alguma coisa. Ações, sinceridade, um forte sentimento de lealdade e fidelidade, conhecimento e experiências é tudo o que tenho, não consigo pensar em outra coisa, estas são as minhas ferramentas.

Tenho certeza que em algum momento, passarei a acordar todos os dias pela manhã, livre de compromissos somente com memórias, terei orgulho de ter dado a minha contribuição para a história e na difusão da cultura e da arte. Retrocedi a película da minha vida, a partir do primeiro choro, tudo passou a ser redimensionado, passou a ter importâncias que outrora não tinha, passou a fazer parte de mim.

pés

Espero que estas palavras sirvam para evocar em vocês um sentimento de resgate, de auto-preservação, de auto-estima. Espero que sirvam para criar a consciência de como a coragem e a simplicidade das pessoas que cruzam a nossa vida e as diversas situações que vivemos, positivas ou negativas, iluminam, como a luz da lua cheia, a estrada que percorremos.

Lembrar destas pessoas e da minha própria história me faz querer trabalhar sempre em equipe, de ter sempre alguém para caminhar ao meu lado e principalmente, me orgulhar daquilo que sou. Agradeço a DEUS a oportunidade de poder tocar na história e de poder compartilhar da luz daqueles que com suas vidas, com suas crenças e seus afares, contribuíram para escrever a minha própria história, a desenhar um pouco da minha própria vida.

Gostaria de dedicar muito do que sou a todas estas pessoas anônimas ou não, que defenderam os seus ideais, defenderam seus pontos de vista, e que com as suas vidas ajudaram a formar parte do homem que sou hoje.

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo