Você está aqui
Home > Cidades > Canela > Combate ao Comércio Ilegal

Combate ao Comércio Ilegal

Fotos: Carla Wendt/Line Comunicação

Fecomércio/RS e Sindilojas Hortênsias promovem reunião técnica de Combate ao Comércio Ilegal

A Fecomércio/RS e o Sindilojas Hortênsias realizaram no dia 27 de junho, às 15h, no plenário Julio Floriano Petersen, da Câmara de Vereadores de Gramado, reunião técnica de combate ao Comércio Ilegal, que contou com a presença de órgãos públicos, entidades de classe, empresários e comunidade.

A Fecomércio/RS, através da sua Comissão de Combate à Informalidade, vem realizando estes encontros em diversos municípios do Estado, em parceria com Sindicatos, frisando a importância da união entre as entidades, empresários e autoridades para levar adiante estes trabalhos, já que os problemas sinalizados são muito semelhantes em todas as cidades.

A reunião foi conduzida pelo vice-presidente da Fecomércio/RS, André Roncatto, vice-coordenador da Comissão da Fecomércio-RS, Daniel Amadio, e pelo presidente do Sindilojas Hortênsias, Guido Thiele. Os presidentes das Câmaras de Vereadores de Gramado e Canela, Luia Barbacovi e Marcelo Drehmer, a diretora do PROCON RS, Maria Elizabeth Pereira, e o vice-prefeito de Gramado, Evandro Moschem, também marcaram presença, entre outras autoridades.

“Gramado e Canela, assim como outras cidades que compõem nossa região, tem problemas em comum, vendedores ambulantes e feiras itinerantes são exemplos. Sabemos do trabalho que vem sendo feito pelos órgãos competentes. Hoje estamos iniciando mais uma ação para fortalecer este combate”, destaca Thiele.

Para o presidente do Sindilojas Hortênsias o comércio ilegal deve ser combatido em todas as instâncias, mas há de se ter um cuidado especial na serra gaúcha, visto seu cunho turístico. “Este encontro é promissor e o início de um trabalho de aperfeiçoamento do que já vem sendo executado. Como estamos em uma região turística temos esta preocupação de manter um padrão de qualidade para nossos turistas não serem abordados de qualquer jeito. Panfletagem de lojas e restaurantes e a questão dos índios, também são pautas importantes. Turistas, muitas vezes, se sentem acuados. Se não termos uma sociedade organizada e se não ficarmos atentos perderemos nosso produto: o turismo, com isso perderemos nosso turista e nossa economia. Aí está a importância de estarmos integrados para buscarmos soluções efetivas”, destaca.

Conscientização da sociedade

A Federação vem trabalhando junto aos órgãos públicos almejando um novo olhar do consumidor sobre este assunto de grande complexidade, pois nem todos têm ideia da dimensão da economia do crime. É necessário mudar esta cultura de convivência com a ilegalidade.

Para a Fecomércio/RS é necessária uma campanha de conscientização aos consumidores, que são os fiscais da conta. Quando as pessoas acham que estão levando alguma vantagem, na realidade elas estão financiando o crime. O contrabando e pirataria são braços do crime organizado. Onde não há consumo, não há oferta. Polícias e órgãos públicos tem feito sua parte, mas a conscientização e fiscalização da sociedade é fundamental. Produtos oriundos do comércio ilegal, ou seja, que não tem taxação, acompanhados de todas as facilidades que o crime oferece acabam concorrendo com o estabelecimento legal, este, por consequência, acaba sofrendo, gerando desemprego, principalmente neste período de crise. A perda de impostos poderia estar sendo investida em educação, saúde, e outras áreas. Enfim, o comércio ilegal prejudica a estrutura da economia.

Apontamentos levantados na reunião

A reunião abriu espaço para entidades, órgãos públicos, fiscais e comunidade presente se manifestar. Entre as medidas comentadas que podem vir a amenizar o comércio ilegal foi o fortalecimento de campanhas junto às escolas buscando conscientizar crianças sobre o tema, visando criar uma nova cultura junto a esta geração; aumentar a fiscalização, principalmente nas fronteiras e portos do Estado; foi sugerida também uma análise da legislação vigente quanto as medidas de combate ao comércio ilegal; levantou-se a questão da valorização do profissional fiscal, que está a serviço da comunidade, e a importante colaboração da comunidade que também é ferramenta fiscalizadora podendo auxiliar órgãos públicos através de denúncias; a instalação de uma unidade do PROCON, entidade autossustentável parceira do comércio legal; ganhou destaque também a sugestão de uma revisão da grade tributária, que hoje arrecada um valor alto de impostos dos empreendedores, resultando em desemprego abrindo espaço, muitas vezes, para o comércio ilegal.

A comunidade deve DENUNCIAR o comércio ilegal:

Gramado: Plantão (54) 9 9976-6058 e Fala Cidadão (54) 3286-2500

Canela: Plantão (54) 9 9176-9498

Encaminhamentos

A Fecomércio/RS tem construído, a partir destes encontros, uma provocação aos municípios para que os mesmos criem Comissões Permanentes de Combate à Informalidade. “O Sindilojas Hortênsias e CDL Gramado unirão forças contando com o apoio de todos a partir da lista de presenças da reunião junto com poder público municipal e representantes da Receita Estadual e Federal, da Brigada Militar e Polícia Civil. “Que nestes encontros haja diálogo e que sejam pautados os problemas dos municípios. Será fundamental a presença dos fiscais e todos os atores deste cenário para que identifiquemos pontos frágeis buscando soluções nas esferas municipais. Nós, como Fecomércio/RS estaremos na esfera estadual e federal contribuindo com avanços e construções identificadas em Gramado e Canela”, finalizou Roncatto. Na decorrência, será definida data de um próximo encontro para dar continuidade a ação.

Notícias Similares

Deixe uma resposta

*

Topo