Você está aqui
Home > Cidades > Gramado > Desafios da mobilidade urbana foi tema em “Gramado: Novos Olhares”

Desafios da mobilidade urbana foi tema em “Gramado: Novos Olhares”

Foto: professor do Departamento de Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Dr. Júlio Celso Borello Vargas, recebeu uma lembrança de Gramado das mãos do Prefeito Fedoca – João Alfredo de Castilhos Bertolucci (PDT) durante sua participação no projeto “Gramado: Novos Olhares”. Crédito: Carlos Borges

As dificuldades no trânsito e a mobilidade urbana em Gramado são assuntos que nos últimos anos tomaram grandes proporções devido ao grande aumento de veículos e a incapacidade da cidade em acompanhar esse aumento do fluxo. Desta maneira, interessada em oferecer uma Gramado melhor no futuro, a administração Fedoca/Evandro recebeu na última segunda-feira, 2 de outubro, o professor do Departamento de Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Dr. Júlio Celso Borello Vargas, que é Mestre em Planejamento Urbano e Regional, e Doutor em Engenharia de Transportes. Ele participou de forma voluntária do ciclo de palestras, que integra o projeto “Gramado: Novos Olhares”.

Na ocasião, o especialista em mobilidade urbana apresentou tendências globais, ideias e estudos que caminham para uma mobilidade sustentável, cidades para pessoas e humanização do trânsito. “Sustentabilidade já virou uma palavra meio vazia, em que o pessoal não pensa muito a respeito e fala sem pensar, mas o conceito de sustentabilidade que trago aqui é o de não estragar, não matar a galinha dos ovos de ouro, e fazer com que aqueles recursos, que, por exemplo, Gramado tem, se mantenham no tempo, e que os deixemos para as gerações futuras”, disse o painelista, que ainda explicou que a mobilidade sustável hoje seria uma maneira de se mover, de atrair os turistas, os moradores, e permitir que todos tenham acesso às atrações e à sua vida, sem que isso gere problemas que impeçam outros de evoluírem, bem como evitar a poluição, tempo em congestionamento, acidentes, entre outros.

Para o professor Júlio Celso, Gramado é uma cidade diferenciada, é uma cidade especial pelo simples fato de haver essa paisagem natural, pela sua imigração e cultura, pela sua tradição turística tão forte e por atrair tantas pessoas. Todos estes fatores colocam o problema da mobilidade urbana em outra dimensão. “Aqui não é como uma cidade grande, que basicamente o problema é ônibus para as pessoas ou metrô, ou de uma cidade pequena que a questão é organizar nas esquinas com semáforos, aqui vocês já estão em outro nível, essa sazonalidade, muita gente vindo nos feriados e nos finais de semana, isso no convívio com os moradores, e num território muito acidentado de topografia, aliado a grande densidade, muitos hotéis, muitas moradias, e muita gente de automóvel está gerando alguns problemas para a cidade”, relata.

Pensando nessas questões, o especialista garante que o problema seria de alguma maneira controlar e humanizar um pouco mais a mobilidade na cidade. E essa não seria uma questão de eliminar o carro, por exemplo, mas fazer com que o convívio seja harmônico. “A gente já vê aqui o respeito na faixa de pedestres, e esse já é um passo gigantesco em direção a esses conceitos, mas ainda têm problemas, como a questão do convívio entre os modais não motorizados, a bicicleta e o pedestre, que as vezes o ciclista tem medo da rua e do carro, e vai para calçada. É sempre o maior batendo no menor e isso tem que mudar, a gente tem que aprender a respeitar todos os tipos de transportes”, completa.

Em novembro ocorre mais uma rodada do projeto “Gramado: Novos Olhares”, e a Prefeitura de Gramado agradece aos parceiros que tem contribuído para a realização do projeto, como o Natur Hotel, a Cantina Di Capo e a Prawer que apoiaram a palestra do professor Dr. Júlio Celso Borello Vargas.

Notícias Similares

Deixe uma resposta

*

Topo