Você está aqui
Home > Cidades > Evento na Rua Coberta reúne multidão em celebração ao Dia da Mulher

Evento na Rua Coberta reúne multidão em celebração ao Dia da Mulher

O Gabinete da Primeira-Dama mostrou a diversidade da mulher gramadense e trouxe a valorização da identidade individual

O Dia Internacional da Mulher, 8 de março, foi a data escolhida pelo Gabinete da Primeira-Dama de Gramado para apresentar a diversidade da mulher gramadense com o trabalho da fotógrafa Francine Tisiam, bem como mostrar a cada um dos presentes a importância de se conhecer, de olhar para dentro buscando a sua identidade e estilo individual, um conceito apresentado pelo Criador Fernando Torquatto e a Cientista Charlene Dalbosco.

Com um enfoque prático e metodológico, e interagindo com o público, eles abordaram conceitos como autoestima, identidade e imagem, ampliando o entendimento sobre o que é belo. O evento, que contou com o apoio das secretarias de Turismo, Cultura e Saúde, aconteceu na Rua Coberta e superou as expectativas dos organizadores. Uma grande multidão se fez presente, entre eles, o prefeito Fedoca – João Alfredo de Castilhos Bertolucci (PDT), o vice-prefeito Evandro Moschem (PMDB), os deputados estaduais Regina Becker (REDE) e Vinicius Ribeiro (PDT), e a Miss Brasil Deise Nunes (1986) e Miss Rio Grande do Sul Denise Cezimbra (1973).

Para a primeira-dama Bianca Bertolucci, esse foi um momento muito significativo com o principal objetivo de integrar mulheres dos mais diversos espaços e localidades, em um momento de resgate da verdadeira essência, que partiu de uma simples reflexão: quem é a mulher que faz Gramado?

“No dia em que no mundo todo se prestam homenagens às mulheres, nós estamos aqui reunidos para homenagear e aplaudir, mulheres que através das suas diferenças fizeram e fazem a história e a identidade dessa cidade. Seja através da sua beleza, da sua força, do seu trabalho ou da sua representatividade, a presença feminina marca o nosso cotidiano nos lares, na saúde, na educação, na engenharia. Não existem mais espaços onde não encontremos uma personagem rompendo paradigmas”, disse Bianca, que ainda lembrou das ações desenvolvidas pelo gabinete em prol das políticas públicas para as mulheres, entre elas a reivindicação para um Posto da Delegacia da Mulher em Gramado.

Ao completar seu discurso, Bianca parabenizou todas as mulheres pelo seu dia. “Desejo que em um futuro próximo, palavras como direito, espaço, respeito, igualdade e valorização sejam elos sociais e de educação e não necessitem ser bandeiras de luta cotidianas e parafraseando a canção de Caetano Veloso: só nós mulheres, sabemos a dor e a delícia de ser o que somos”, finalizou a primeira-dama.

O prefeito Fedoca, que também prestigiou o evento, desejou que este evento atinja os verdadeiros objetivos e agradeceu a todos os patrocinadores e apoiadores, que permitiram a realização do mesmo. “Mulher: Construção da Nossa Identidade” contou com o patrocínio de Brocker Turismo, Chocolate Lugano, Cristais de Gramado, Museu de Cera, Sérgio Bertti e Snowland. Apoio de Auris Incorporações, Rádio Sorriso e Sorvelândia, e apoio institucional do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM).

A apresentação do evento ficou por conta de Aline Mazzocchi, autora do Antônia do Divã e colunista do ATL Girls, da Rádio Atlântida. E para abrilhantar ainda mais, a violinista Ástrid Kehl Godoi recepcionou o público e o a Escola de Música Ostinatos, com um grupo composto só por mulheres, encerrou com um espetáculo musical.

Durante o evento comemorativo ao dia da mulher, o Hospital Arcanjo São Miguel com apoio da Secretaria de Saúde participou com sua equipe prestando atendimentos, verificando pressão, diabetes, glicemia, entre outros exames.

 

 

A miscigenação da mulher mostrada em fotos

Através do projeto fotográfico de Francine Tisiam feito exclusivamente para o evento, o Gabinete da Primeira-Dama mostrou a diversidade da mulher gramadense do interior da cidade ao centro, de diversas etnias, culturas e profissões, com diferentes estilos de vida e visões de mundo. A exposição apresentada na Rua Coberta foi uma homenagem ao protagonismo das mulheres na história da cidade.

Para a fotógrafa, participar desse projeto foi um momento de puro crescimento. “Foi uma experiência nova para mim, que se transformará, consequentemente, em evolução em próximos projetos e trabalhos”, destacou Francine, que ao chegar no evento, observou de perto as reações das mulheres fotografadas se encontrando nos painéis.

“Mesmo que por uma noite, essas mulheres vindas de mundos tão diferentes estavam lado a lado conversando, se integrando, conhecendo as histórias umas das outras. Para mim, isso fez o projeto ter ainda mais sentido e foi o melhor encerramento possível”, disse a fotógrafa que se surpreendeu com o grande público presente no evento. “Fiquei super feliz por ver tantos gramadenses na Rua Coberta, ocupando um espaço que é seu. E espero que seja o primeiro de muitos momentos assim, onde os moradores da cidade é que são os grandes convidados da noite. Vejo esse evento como o primeiro passo de belas ações que podem acontecer em nossa cidade para os moradores”, completou.

Diana Bado, de apenas 16 anos, foi umas das 50 mulheres fotografadas por Francine no decorrer de 30 dias. Ela, que é militante feminista, aprovou a iniciativa justamente por mostrar que existe a beleza de cada uma de formas diferentes e pelo projeto fotografar mulheres de várias idades. “O índice da autoestima da mulher brasileira é muito baixo e quando a gente mostra que existem várias mulheres bonitas e de vários tipos bonitos, a gente faz com as que as pessoas possam se ver e pensar, poderia ser eu nessas fotos, eu sou tão bonita quanto ela”, explicou Diana, que ficou muito feliz por participar do evento.

Além da apresentação de fotos, a fotógrafa ainda apresentou um vídeo com cinco mulheres que têm suas vidas ligadas à história da construção de Gramado. Participaram do vídeo Iara Eloci Kilp, Iraci Koppe, Jussara Höppner, Lacy Bertoja e Zélia Menezes dos Santos, mulheres que fizeram de Gramado uma cidade especial.

“Este vídeo também é uma homenagem, pela significativa contribuição na construção da identidade da mulher gramadense, além de ser um registro histórico para as próximas gerações”, destacou a primeira-dama Bianca Bertolucci.

O que é belo?

Pela primeira vez, o fotógrafo, maquiador e apresentador, Fernando Torquatto, e a gramadense, doutora em Imagem e Identidade de Pessoas, Charlene Dalbosco, se uniram e apresentaram a palestra “O Criador e a Cientista”, um case que buscou fazer uma reflexão sobre os conceitos de beleza e o que é belo.

Numa palestra de interação com o público, a Cientista trouxe alguns dados mundiais da insatisfação da mulher com o seu corpo. As pesquisas apontadas por Charlene mostram que, as mulheres japonesas têm o maior índice de insatisfação física (59%), seguidas pelas brasileiras (37%).

“No Brasil, 92% das mulheres estão insatisfeitas com sua imagem corporal, e pior ainda fica quando falamos da mulher mais jovem, pois quanto mais jovem for a mulher, mais alto fica esse índice de insatisfação”, explica Charlene que ainda destaca outro grande problema relacionado à beleza, que são os distúrbios alimentares como a bulimia e anorexia, que atingem quatro a cada 100 pessoas. A especialista ainda informou que relacionado a tudo isso têm o elevado número de cirurgias plásticas, sendo a mulher brasileira a recordista no mundo. “Enfim, diversos são os números que eu poderia apresentar aqui hoje relacionados com a falta de autoestima, principalmente das mulheres”, conta Charlene.

De acordo com Torquatto, esses dados mostram que a mulher brasileira está um pouco confusa com sua imagem, e como poder passar uma imagem melhor. “Se for pensar o que significa beleza, a expressão nos dicionários diz que é uma coisa agradável aos olhos, que tem simetria, apresenta harmonia, inspira admiração e encantamento, mas na realidade precisamos pensar de outra forma”, explica o maquiador. “Essa beleza que a gente vê não é mais a mesma, são códigos que a pessoa passa através de comportamento que vão poder refletir essa essência de cada um, e talvez esse seja o ponto chave para externar quem a gente realmente é”, completou.

A partir destas análises, a dupla de profissionais mostrou ao público que ser esteticamente agradável, ser atrativo ao outro, vai muito além de ter o corpo ou o rosto perfeito. “A intenção é possibilitar que as pessoas respeitem a sua essência, entendendo que o movimento deve ser feito de dentro para fora, onde beleza e autoestima estão intimamente relacionadas com a consciência do seu próprio valor”, explicou Charlene.

Durante a apresentação, além de interagir com o público numa troca de perguntas e respostas, os profissionais levaram para o palco a gari Patricia da Silva Esmerio, coordenadora de limpeza da Prefeitura Municipal. Ela foi maquiada por Torquatto e também falou da sua experiência de renovação de autoestima e valorização da própria imagem que depende de cada um. Para ela, autoestima é se sentir bem e se aceitar. Patricia, que pesava 127 quilos, contou que nunca deixou de se amar, mas que tomou a decisão de mudar, fazendo um tratamento psicológico e a cirurgia bariátrica há 11 meses. “Hoje é só alegria”, conta ela.

Após maquiar Patricia, Torquatto mostrou o quanto a maquiagem pode auxiliar na autoestima da mulher. “Temos que aprender que nossas diferenças são nossa grande qualidade. Quando aprendemos a enxergar as diferenças como aliadas, finalmente nos libertamos e é justamente esse o alicerce da autoestima”, contou.

A Miss Brasil Deise Nunes, referência de beleza para muitas mulheres, conta que sempre valorizou a sua identidade, as suas qualidades, trazendo para sua vida o que se identificava, mas sempre dando o toque particular. “Cada um tem a sua beleza, o seu  biotipo, que deve ser valorizado. Mas, a gente recebe diariamente uma enxurrada de informações e muitas vezes o que fica bem pra mim, não fica bem pra ti, mas parece que tenho que te copiar para estar dentro da moda para que as pessoas me aceitem, mas não é assim, eu tenho que tirar bom proveito disso para melhorar a minha imagem”, explicou Deise, que acredita que essa aceitação de como sou é ainda mais difícil para as adolescentes. “A beleza é uma coisa passageira, mas todo mundo tem a sua beleza e cada um tem que achar ela em si. Como posso melhorar sem me conhecer?”, instigou ela.

Texto: Marlova Martin

Crédito: Carlos Borges

Notícias Similares

Deixe uma resposta

*

Topo